7 de dezembro de 2008

O Sobrenatural e a dança...

* Foto tirada em um congresso de Dança durante a adoração


Há alguns dias eu venho tentando dar continuidade na série - Corpo, memória da dança - mas, me senti impelida pelo Espírito Santo a escrever sobre outro assunto. No estudo sobre adoração e dança profética postado aqui, aprendemos que a adoração é uma via de mão dupla, onde adoramos ao Senhor numa entrega total e diante disso há uma junção da adoração do céu com a adoração da terra, ou seja, a nossa. É nessa junção que quero me deter.
Eu não quero ir para o céu, mas quero o Reino de Deus aqui na Terra, conforme a oração de Jesus. "...Venha o Teu Reino, seja feita a Tua vontade, assim na Terra como nos céus..." Para que o Reino de Deus venha é necessário trilharmos um caminho, onde o primeiro passo é o arrependimento, o segundo passo é a obediência e vivermos conforme Jesus no seu caráter e na Sua unção, o terceiro é adorarmos e estabelecermos um trono para que haja governo de Deus na Terra. Enquanto dançamos criamos um trono para que o Senhor venha reinar aqui na Terra. Esses passos simultâneamente geram a vinda do Reino.

O Arrependimento e confissão de pecados nos prepara para culturarmos ao Senhor sem restrições e sem separação do nosso Pai, uma vez que, o que nos separava, o pecado, foi confessado havendo arrependimento. Esse tempo que precisamos ter antes de adorá-lo é muito importante e imprescindível para que estejamos totalmente livres à participarmos do encontro que Ele preparou para nós.

Em Salmos a bíblia diz que Deus habita em meio aos louvores do seu povo, portanto o ambiente onde há adoração é totalmente propício a manifestação sobrenatural de Deus, pois Ele está ali. Interessante abordarmos esse assunto para que entendamos como o profético acontece em meio ao momento de adoração e como a dança está inserida nesse contexto.

Na junção da adoração do Céu com a da Terra, há uma unidade completa, tanto da trindade que vem receber a adoração, quanto dos anjos que vêm para adorar conosco. Nesse momento existe a dança de dois exércitos, dos anjos e dos filhos de Deus. Após prepararmos esse ambiente com arrependimento e confissão, o nosso cheiro se torna tão agradável que atrai a presença do Pai e com ela vêm toda a sorte de manifestações divinas, como cura, libertação, restauração. Os dons do Espírito se aguçam para captarmos esse momento sem que percamos nenhuma revelação que o Pai deseja nos dar. Dons de línguas e interpretação, de discernimento, de palavras de sabedoria e de conhecimento; para entendermos e interargirmos com Pai sendo participantes do que Deus deseja fazer na sua Igreja naquela hora; dom profético para falarmos e expressarmos o que o Pai nos ordenar. Enfim, há toda uma mobilização em torno desse momento, porque Deus sempre está desejoso em fazer algo pelos seus filhos, Ele sempre quer nos curar, nos tocar, nos abraçar, nos libertar, Se revelar a nós, revelar Seu caráter e a Sua vontade para cada um. O momento do culto ao Senhor, é um encontro singular onde o Pai vem encontrar seus filhos, onde o Noivo sai da sua recâmara para encontrar-se com a sua amada noiva. É muito especial. Esse momento acontecia todos os dias na viração do dia, onde Deus vinha se encontrar com Adão, e a bíblia diz em Gn 3:8, que Adão ouvia quando Deus entrava no jardim. Devia ser magnífico poder sentar-se ao lado do Pai e observar o pôr do sol e ter comunhão com Ele. Assim também são os nossos cultos, momentos de intimidade e revelação.

A primeira vez que eu vi abertamente o sobrenatural de Deus acontecendo em meio a adoração foi há 4 anos, quando estávamos adorando ao Senhor com um música do Cirilo que dizia: "... Eu chamo os anjos, eu chamos os arcanjos, eu chamo os querubins, eu chamo os serafins...", num determinado momento eu olhei para as pessoas e podia ver nitidamente os anjos, era tão nítido quanto as pessoas que estavam lá. Eles estavam dançando e adorando a Jesus, o Senhor, como dizia a música. Podia ver seus movimentos e como dançavam. Senti a santidade de Deus tão forte que quase fui arremessada na parede. Entrei num pranto e não podia controlar minha carne que tremia sem parar. Eu não sabia o que fazer, achei que ia morrer naquela hora. Senti muito temor de Deus. Mas, num ato de coragem eu comecei a fazer as mesmas coisas que eles, e as meninas que estavam dançando também, naquele dia houve um grande mover de Deus, pessoas foram curadas e libertas. Eu nunca me esquecerei daquela cena. Desde então, eu comecei a ver o sobrenatural de Deus e comecei a ter experiências de visão aberta.

Amados, a nossa dança misturada com arrependimento tem cheiro agradável ao Senhor e atrai a presença manifesta do Pai. Enquanto dançamos entregamos algo ao Senhor e nessa entrega pode haver uma reciprocidade, e recebamos algo também. Mas, o nosso intento precisa ser sempre em dar, nunca em receber. Ouço pessoas falando que estão indo cultuar para receberem mais de Deus. Isso vai acontecer, mas a nossa motivação não deve ser essa. Deus nos dará a justa medida do nosso arrependimento e do nosso comprometimento com a sua Santidade. Conforme correspondermos em arrependimento e santidade, Ele liberará a sua cura, libertação e suas bençãos, porque parebe bem aos olhos do Pai abençoar Seus filhos. Deus zela pelos Seus princípios.

Essa é a famosa e tão falada Dança do céu... a dança que trás Reino de Deus. Por isso, ela liberta, cura... porque atrai a presença manifesta de Deus e o Seu Reino se estabelece aqui na Terra.

Experimente...

Dancemos, adoremos e profetizemos até que o Reino venha!

3 comentários:

Edilene Savani disse...

Gostaria de ler 1 livro sobre atos profeticos.

Vc tem alguma dica?

Edilene disse...

Acho que a gente tem +/- a mesma linguagem, pq vc curte Casa de Davi!

Eu eu tbm!
Meu msn é esavani@hotmail.com

Vou te add

ORLANDO disse...

A salvação da nação brasileira jamais estará nas mãos da igreja, pois igreja alguma salva. Crês tu, nisso?

Postar um comentário

Obrigada pela visita... volte sempre!