25 de outubro de 2007


Ser salvo é muito parecido com os soldados aliados libertando Paris dos nazistas. Embora Paris fosse liberta, ainda haviam, por algum tempo, bolsões de resistência alemã.

A intenção dos demônios é levar a pessoa à pecar sempre. O propósito do endeminhamento não é envergonhar a pessoa com gritos e manifestações, mas sim conduzir a pessoa ao afastamento do Pai pelo pecado. Como pode um demônio ocupar o mesmo espaço que o Espírito Santo? Você pode perguntar: Com pode um demônio habitar ou influenciar a alguém que tenha o Espírito Santo e que tenha sido salvo? Bem, como pode o Espírito Santo (que é unipresente) ocupar o mesmo espaço(universo, todo lugar) com os demônios? Libertação é direito de herança daqueles que estão em aliança com Deus. Em Fp. 2:12, podemos ver claramente a recomendação em desenvolver a salvação, ou seja, dia a dia, sempre precisamos caminhar para um alvo.

Pecar e praticar continuamente o pecado gera uma legalidade, abre uma porta para que espíritos imundos tenham base e autoridade para habitar e influenciar. Uma vez que a prática contínua de um determinado pecado apontará uma fortaleza e logo haverá uma habitação de espírito imundo. Não se derruba uma fortaleza num piscar de olhos, mas sim numa busca contínua em Deus de arrependimento - que é a base para cura e libertação, confissão de pecados e libertação para uma determinada área que precisa ser tratada mais a fundo e com rigor. Um tratamento que pode ser extenso, quando se trata de uma fortaleza que foi gerada por anos através de uma situação vivida, que pode ser por exemplo: de mentira, engano, rejeição, etc. Durante muito tempo a pessoa mente e engana o que se torna uma prática normal que nem se percebe mais o que está fazendo. Durante algum tempo ela precisará lutar contra as investidas do Diabo para não cair mais nesse pecado, uma vez nos sujeitando a Deus para tratar a raiz da fortaleza e resistido a tentação somos livres. Tg 4:7

Deus opera em nós todo o processo de libertação como nos mostra I Jo.1:9, se confessarmos os nossos pecados... Veja bem que a particula "se" indica uma condição. Então, o processo começa com confissão de pecados. Ao confessar Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados. O processo finda em nos lavar de toda a injustiça, ou seja, libertar. Mas o inverso é totalmente verdadeiro também: Se NÃO confessarmos os nossos pecados Ele continua sendo fiel e Justo para NÃO nos perdoar e para NÃO nos lavar da nossa injustiça.

É necessário confessar todos os pecados e não somente confessar que é pecador. "Se confessarmos" é uma expressão no grego que está em tempo presente, ou seja, se confessarmos hoje, Ele nos perdoara, se confessarmos amanhã Ele nos perdoará e assim é continuamente.

Quando pecamos damos autoridade para o Diabo e seus demônios, quando nos santificamos e obedecemos nos rendemos à autoridade de Deus. Iremos defirnir quem habitará em nós pela autoridade que será delegada através das nossas atitudes. Se pecamos delegamos direitos ao Diabo, mas se nos santificamos e obedecemos damos direito legal ao Espírito Santo. A questão é que quase sempre estamos praticando as duas coisas.

Para validarmos o pensamento que nenhum espírito imundo pode habitar onde o Espírito Santo habita, precisamos tomar como certeza que não podemos em hipótese alguma pecar ou praticar tal coisa.

Pecado = Habitação, influência e presença de demônios.

Ora, o pecado não procede de Deus, porque Ele é Santo. Então, se há pecado em nós, tão logo localizamos a presença de quem procede o pecado, e peca desde o início, o Diabo.
I Jo. 3:8

Santidade = Habitação, influência e presença de Deus, por que Ele é Santo.

Tomando como base o principio que a presença de Deus sempre te conduzirá à Santidade, logo podemos tomar o inverso como verdadeiro. A presença do Diabo sempre nos conduzirá em tentação ao pecado e a quebra de comunhão com o Pai. Se pecamos Deus não está em nós (I Jo.3:8; III Jo.1:11) se Deus não está, então, quem está?

Ao nos depararmos com esse quadro alarmante, sentimos a necessidade de sermos libertos, e passarmos pelo processo de libertação do pecado diariamente, nos expondo a presença do Pai em adoração, oração e jejum e nessa exposição sermos convencidos pelo Espírito Santo e cheios de arrependimento gerarmos frutos dignos.

Esse é o verdadeiro processo de libertação, a nossa auto-libertação diária. Precisamos dia após dia trazer à luz toda situação, sentimento, palavra e ato de pecado, uma vez expondo à luz confessarmos ao Pai e uns aos outros ( Tg.5:16) para sermos curados e libertos. Essa é a caminhada na luz, é expor o que está em trevas e puxar para fora tudo que deve ser tratado e exterminado pelo poder do Espírito Santo (Ef.5:13 e I Jo.1:7) Veja que é uma caminhada contínua que se findará quando atingirmos a perfeita varonilidade de Cristo que então habitará ricamente em nós. ( Ef.4:13).

Um comentário:

Emerson disse...

Olá Roberta, graça e paz. Fique a vontade quanto ao link e... Venha o Reino do Senhor sobre nós, com graça, amor e justiça!

PAZ!

Emerson- rm12.net

Postar um comentário

Obrigada pela visita... volte sempre!